22 de set de 2013

Passeio pelo cemitério.

| |
Às vezes me pergunto o que teria acontecido se eu tivesse saído para esfriar a cabeça, talvez você ainda estivesse aqui. Lembro-me de ver você chorando ao fazer suas malas, a cada lágrima eu morria. Você dizia que não tinha jeito, que tinha vontade de morrer cada vez que pensava em mim. A cada briga você ameaçava ir embora. Se eu tivesse poupado minha palavras você continuaria aqui. Você nunca conseguiu dizer adeus, por mais que quisesse e tivesse tentado.

Eu queria que você tivesse pensado mais um pouco. Fiquei horas esperando na porta que você voltasse até perceber que você tinha realmente partido.

Tirei a noite para pensar nisso, pensar que eu podia ter sido melhor e que você poderia ter tentado me compreendido. Vi você enterrar a si mesma a cada dia que passava a cada lagrima que rolava em seu rosto. As coisas pioravam quando você dizia que “nós” éramos uma doença, algo que a matava por dentro. Sempre que eu olho fotos antigas, algumas me fazem rir tanto quanto outras me fazem chorar.

Eu contei cada passo que você deu para sair de minha vida, cada tentativa frustrada de não conseguir, e, quando conseguiu, apenas desmoronou. Eu nunca consegui ver seu coração, não consegui falar o que sentia, nunca consegui te compreender. A cada noite que se passava eu jogava tudo fora. Eu estava sendo incompreendido a cada tentativa de tentar amá-la.

Às vezes me pego ouvindo músicas que a fizeram cortar os próprios pulsos. Você realmente não tem noção de como sito falta da colisão de seu beijo e como isso faz mal a mim. Tudo podia ter terminado de outro jeito. “Nós” poderíamos ter tido um final bom, ao invés de morrermos como numa história de terror. Podíamos ter reescrito nosso final. E eu sabia que você queria isso.

Tento lavar minhas mãos da culpa, mas seu sangue insiste em permanecer desde que lhe abracei você, tentando tirá-la das ferragens do seu carro. Acredite, ali era o último lugar que queria ter visto você após ter saído de casa correndo com a mochila nas mãos. Eu gostaria de te encontrar novamente, sem ser em um passeio pelo cemitério.